Improvisações

Darwin

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   Conceito Artístico:

 

Óleo 24 – Improvisações   ( de Darwin  [1823-1913] )

2005 ( Recuperado em 2010 ) – ( 24 x 30 cm )

 

 

   Conceito Científico:

 

     Uma imagem pode ter mil sentidos diferentes, as palavras também. Diz-se que são polissémicas, pois o significado que lhes é atribuído depende muito de tudo o que sabemos de antemão a seu respeito e de todos os instrumentos mentais, intelectuais, referenciais e culturais de que dispomos para interpretá-las.

     A Informação pode ser definida como dados inseridos num contexto, qualquer que seja a sua forma de expressão ( artística, científica, musical, literária… ) esta é sempre relativa a um contexto de interpretação, lógica e compreensão. Com efeito, apenas uma pequena parte da informação pode ser definida como a parte objectiva, os factos, os dados, um conjunto de imagens, símbolos, códigos e caracteres que representam o conteúdo explícito da informação. Depois, há a parte subjectiva, o conteúdo implícito, o conhecimento tácito, que corresponde a todo um conjunto de sinais que só se revelam na mente do observador, o entendedor daquele conhecimento. Esta segunda perspectiva é aquela que interpreta e focaliza a informação, integrando-a num conjunto, relacionando, recriando, interpretando os dados isolados e compondo-os num novo todo orgânico. Neste novo contexto, a informação total será sempre maior do que a soma das partes e assim nasce o Conhecimento.

     Diz-se que para se ser um cientista não basta sabermos muitas coisas, isso é para os especialistas instantâneos. Pois a ciência é conhecimento organizado. Com base neste conceito torna-se evidente que possuir uma enciclopédia de informações e factos, uma lista quase infinita de definições, faz tão pouco sentido que, segundo as palavras de Henri Poincaré, quase não merece consideração: “Um monte de tijolos não é uma casa.”. A chave do conhecimento é a organização e a relação. Para se compreender o conceito de planta, não temos necessariamente de decorar uma lista infinita de nomes botânicos, nomes de famílias, subfamílias, género, espécies, subespécies, híbridos e suas respectivas características!

     A grande ideia de Charles Darwin não foi a Evolução. As pessoas já tinham conhecimento deste conceito através de evidências geológicas apresentadas por fósseis. A palavra evolução apareceu muito antes de Darwin apresentar as suas teorias, o que não se sabia até então era como funcionava a evolução. A sua genialidade consistiu na maneira como procedeu à interpretação da informação, apresentando a sua teoria sobre a ‘Selecção Natural das Espécies’. Deduziu que as espécies podiam adaptar-se, e somente aquelas que se adaptavam ao seu novo ambiente teriam mais hipóteses de sobrevivência. Assim, na reprodução de uma espécie haverá uma pequena variação de uma geração para a seguinte. Com este mecanismo haverá pequenas alterações genéticas nas características dessa espécie, de forma a assegurar a melhor adaptação ao meio das gerações futuras.

 

 

 

   Conceito Literário:

 

“ As civilizações que conseguiram reestruturar-se e sobreviver exploraram

em geral  adequadamente a relação ordem-pela-desordem (…)

Converteram o ruído em informação.”

ANTHONY WILDEN

 

“ Nunca, como agora, tivemos tanta informação e tão pouco conhecimento.”

GEORGE STEINER

 

“ Um monte de tijolos não é uma casa.”

HENRI POINCARÉ

 

“ É que a ciência não é simples acumulação de conhecimentos

– um amontoar himalaico que acabaria por desnortear (…) – é sim, organização simplificadora cada vez mais ampla e menos incompleta. Não empilha saber, economiza-o, pela construção de Teorias Unificadoras.”

VITORINO MAGALHÃES GODINHO

 

“ Ninguém poderá ter mais conhecimentos

do que aqueles que a experiência lhe proporciona.”

JOHN LOCKE

 

“ Cada indivíduo organiza o mundo de um modo único.”

K. J. McGARRY

 

“ A informação em sentido objectivo (…) é a expressão de pensamentos científicos, literários e artísticos codificados em bibliotecas e museus, assim como todos os registos da cultura humana.”

KARL POPPER

 

“ A informação pode ser armazenada em livros, manuais, bases de dados (…)

 O conhecimento, em contraste, existe apenas numa mente ( humana )

– a mente do conhecedor desse conhecimento.”

KEITH DEVLIN

 

 “ Para sempre na tua mente.”

KEITH DEVLIN

***

“ O Homem faz parte da Natureza.

Por conseguinte, a criatividade humana faz parte da produtividade da Natureza. No Homem, a Natureza atingiu uma autoconsciência.”

SCHELLING

 

“ As palavras não passam de imagens da matéria. Apaixonarmo-nos por elas

é como apaixonarmo-nos por um quadro.”

FRANCIS BACON

 

“ A beleza das coisas existe na mente de quem as contempla.”

DAVID HUME

 

“ Sem reflexão a vida não vale a pena ser vivida.”

SÓCRATES

 

“ Só se perde a existência que se vive. E só se vive a existência que se perde.”

MARCO AURÉLIO

 

“ O tipo de filosofia que escolhemos depende muito

do tipo de pessoa que somos.”

JOHANN FICHTE

 

“ Um entendido sabe de tudo.

O sábio, sabe apenas o essencial.”

 ANÓNIMO

 

“ A minha ambição é dizer em dez frases

o que outros grandes autores não dizem nem num livro inteiro.”

NIETZSCHE

 

“ Não sei quantas almas tenho.”

FERNANDO PESSOA

 

“ Faz o que tens a fazer e confia no que acontecer.”

GOETHE

 

“ Valeu a pena? Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.”

FERNANDO PESSOA

 

FIM

 

 

 

 

 

 

“ Bem, cada homem tem uma religião;

tem alguma coisa no Céu ou na Terra pela qual abdicaria de tudo

– algo que o absorve – que pode ser considerado inútil pelos outros; porém, é o seu sonho, é a sua estrela polar, é o seu mestre.

Essa coisa, o que quer que seja, apoderou-se de mim, fez de mim seu escravo (…) um trilho de glória nos céus, que eu segui, segui com todo o meu coração (…) uma vez convencido, nunca mais o largo.”

 

WALT WHITMAN

 

* * *

 

 

 

 

“ Nós somos o que fazemos.

O que não fazemos não existe.

Portanto, só existimos nos dias

em que fazemos.

Nos dias em que não fazemos,

apenas duramos.”

 

PADRE ANTÓNIO VIEIRA

 

* * *

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

‘DE TUDO FICAM TRÊS COISAS’

 

 

A certeza … de que se está sempre começando

A certeza … de que é preciso continuar e

A certeza de que seremos interrompidos antes de terminar.

 

Fazer da interrupção um novo caminho;

Fazer da queda um passo de dança;

Do medo uma escada;

Do sonho uma ponte;

Da procura um encontro.

 

- FERNANDO PESSOA -