Espiral Dourada

Leonardo da Vinci

 

 

 

 

 

 

 

   Conceito Artístico:

 

Óleo 2 – Espiral Dourada ( de Leonardo da Vinci [1452-1519])

2007 - ( 30 x 30 cm )

 

 

     Conceito Científico:

 

     A Espiral Dourada transporta-nos para o mundo da Arte e da Matemática, desvenda-nos um número de ouro e mostra-nos que com ele é possível traçar uma curva tão perfeita que os matemáticos resolveram designá-la por Espiral Dourada.

     Sendo este um número irracional, é, portanto, infinitamente mágico. A sua presença revela-se na Natureza, na Anatomia, na Arquitectura Grega e no mundo da Arte.

     Este número revela uma medida harmoniosa, uma proporção especial e perfeita, que já foi baptizado com vários nomes, divinos e dourados, sendo simbolizado por uma letra grega, a letra Fi φ = 1,618, em homenagem ao arquitecto e escultor grego Fídias, que utilizava a razão áurea nas suas obras, destacando-se a sua obra mais célebre, o ‘Pártenon’ em Atenas.  

     A razão áurea é uma divisão harmoniosa que se obtém a partir de um segmento AB que se subdivide em duas partes AC e CB. O número Fi, a proporção de ouro, advém da razão das medidas maior sobre a mais pequena, (A________C____B ) , sendo que, AB/AC = AC/CB = φ. E constrói-se a partir destas medidas o rectângulo de ouro, de comprimento AB e largura CB, o qual, do ponto de visa estético, parece ser o rectângulo que exprime maior beleza e harmonia.

     Este número fascinante pode aparecer implicitamente inscrito em conchas e em animais aquáticos, como por exemplo o Náutilos, e em divisões de quadrados perfeitos. Esta busca de padrões e correspondência entre a Matemática e a Natureza sempre suscitou um grande interesse e atenção por parte do Homem. Dada a sua natureza enigmática, este número tem apaixonado simultaneamente artistas e cientistas.

     Leonardo da Vinci é considerado um dos maiores génios da história da humanidade, devido à multiplicidade de talentos que possuía, tanto em ciências como em artes. Pintor, engenheiro, arquitecto, escritor, cientista, anatomista, inventor, escultor e desenhador, grande parte dos seus trabalhos ficaram registados em cadernos. São cerca de 13.000 páginas que contêm um sem fim de esboços, notas e desenhos do autor. Desenhos dedicados àquilo que mais gostava de fazer: observar com cuidado o mundo à sua volta e descrever as suas ideias através do desenho. Para este génio a observação era o caminho principal para o conhecimento e a única forma de fazer verdadeira ciência. Leonardo viveu em plena Renascença, nos séculos XV e XVI, e expressa melhor do que ninguém o espírito daquele tempo.

     O Renascimento é conhecido como a época do Humanismo, que se caracteriza pelo enorme progresso nas artes, nas ciências e nas leis humanas. É sem dúvida Leonardo da Vinci quem melhor representa a fusão entre arte e ciência. Talvez as suas obras mais conhecidas sejam o retrato de Lisa del Giocondo ( dita a Mona Lisa); o fresco da Última Ceia; e igualmente conhecido o Homem Vitruviano, cujo estudo das proporções humanas realçam a proporção divina. O número de ouro parece ter igualmente inspirado este artista singular, um polímata, que procurou conceber uma relação e união entre Matemática, Anatomia e Arte.

 

 

   Conceito Literário:

 

“ Tudo o que está no plano da realidade, já foi sonho um dia.”

LEONARDO DA VINCI

 

“Primeiro, não te deixes perturbar, porque tudo se passa de acordo com a natureza universal e em breve não existirás.”

MARCO AURÉLIO

 

“ É preciso ter em conta que a vida se gasta à medida que decresce

o tempo que nos falta.”

MARCO AURÉLIO

 

‘O herói deve permanecer imperturbável.’

C. P. FOURNIER

 

“ Sonha como se vivesses para sempre.

Vive como se fosses morrer hoje.”

JAMES DEAN

 

“ Quer possas, quer sonhes que podes fazê-lo, começa-o!

A audácia tem génio, força e magia em si.”

GOETHE

 

“ Quando tiveres cumprido o teu dever, resta-te ainda um outro:

mostrares-te satisfeito.”

GOETHE

 

“ Que vivas num tempo interessante.”

CONFÚCIO