Zen

Rothko

 

 

 

 

 

 

 

 

   Conceito Artístico:

 

Óleo 12 – Zen ( de Rothko  [1903-1970] )

 2009 - ( 40 x 60 cm )

 

 

   Conceito Científico:

 

     Os ensinamentos taoistas são ricos em paradoxos, talvez o mais célebre seja o de Chuang Tzu e o ‘Sonho da Borboleta’. Estas fábulas descrevem o sábio como alguém humilde, condescendente, espontâneo e livre. O taoismo realça a interdependência dos opostos, a dualidade e a complementaridade, do yin e do yang, do masculino e do feminino, da luz e da sombra, do movimento e da quietude …

     Este símbolo chinês, o Tao, representa o Caminho, a essência do conhecimento e da sabedoria; é a ordem misteriosa entre o Céu e a Terra, do Ser e do Nada, do Vazio e do Cheio … A realidade fundamental baseia-se na interdependência dos opostos, da oposição e da combinação, do conhecimento qualitativo bem como do quantitativo, no qual, sem o conhecimento de um não é possível compreender o outro. Na filosofia taoista nenhum é mais importante do que o outro, na verdade, nenhum pode existir sem o outro, uma vez que estes se complementam.

     Sobre a convergência das tradições místicas e das ciências modernas poderemos constatar que existem inúmeras coincidências e vários pontos de vista comuns acerca da realidade fundamental que nos é subjacente, em que é assumida uma perspectiva comum entre religião e ciência. Deverá sempre existir uma componente espiritual na ciência, pois se a ciência declarar que apenas o mundo matemático é a única realidade, então, põe implicitamente em causa o valor de qualquer realidade espiritual. 

     Na verdade, as teorias científicas são modeladas não só pela nossa percepção do mundo exterior como também pelas sensibilidades estéticas e intuições pessoais do próprio cientista, tais como: a beleza matemática, a elegância de uma fórmula ou de uma teoria, a sua simplicidade e coerência. O objectivo último da ciência não é somente percepcionar o mundo exterior através dos sentidos mas sim construir um modelo de ordem e harmonia, completo e abrangente, que absorva o mundo e o Universo e que se enquadre perfeitamente numa interligação entre os factos percepcionados, a mente do cientista e a realidade. 

     Pode ser difícil encontrar uma fórmula assim tão fundamental, uma resposta generalizada … mas na verdade, não podem existir quaisquer fórmulas. Descrever a evolução e a estrutura das leis fundamentais da Natureza e da realidade Física só é possível através de uma linguagem comum, precisa e isenta de erros e ambiguidades. As equações que descrevem processos físicos têm como base uma única linguagem. Essa linguagem é a Matemática, só com ela conseguimos organizar e configurar uma diversidade de variáveis e englobá-las num todo através de equações. A aparente simplicidade de uma equação pode traduzir e prever a espantosa complexidade e harmonia de uma Natureza organizada. Toda a Natureza obedece a um sentido lógico e racional e nós, seres humanos, compactuamos com ela, uma vez que nos foi concedida essa mesma propriedade de racionalidade.

 

 

   Conceito Literário:

 

“ O que é espantoso não é a complexidade do mundo mas sim,

que este seja compreensível.”

ALBERT EINSTEIN

 

“ De forma tão verdadeira como o místico, também o cientista segue uma luz …

e não se trata de uma luz falsa ou inferior.”

ARTHUR EDDINGTON

 

“ Enquanto que a cabeça se perde em contínuos encadeamentos de lógica e

de prós e contras, a intuição já há muito que tomou a sua decisão.”

STEFAN KLEIN

 

“ Nenhum grande desenvolvimento científico teria sido possível sem a inspiração e a análise intuitiva.”

THOMAS MCFARLANE

 

“ Não existe nenhum caminho lógico para a descoberta das leis do Universo.

O único caminho é o da intuição.”

ALBERT EINSTEIN

 

“ A mente grande é algo a exprimir, e não algo a perceber.

A mente grande é algo que se tem, e não algo que se procure.”

SHUNRYU SUZUKI

 

“ Sê um homem e não me sigas a mim, mas sim a ti! Apenas a ti!”

GOETHE

 

“ Faz o que puderes com o que tens, onde quer que estejas.”

THEODORE ROOSEVELT

 

“ Vive em harmonia com as leis da Natureza e nunca serás pobre.”

SÉNECA

 

“ Quando confiares em ti próprio, saberás como viver.”

GOETHE

 

“ Ter calma é correcto. Começa correctamente e ficas calmo. Continua calmo e estás correcto. O modo correcto de ter calma é esquecer o modo correcto.

É esquecer que o caminho é calmo.”

CHUANG-TZU

 

“ O Zen é o teu pensamento quotidiano.”

CHAO-CHOU