Espécie Humana

Miguel Ângelo

 

 

 

  

 

 

   Conceito Artístico:

 

Óleo 16 – Espécie Humana / Sapiens, Homo ( de Miguel Ângelo [1475-1564]  )

– 2009 - ( 70 x 100 cm )

 

 

   Conceito Científico:

 

   “ Desde que há seres humanos que continuamos à procura do nosso lugar no Cosmos. Os primeiros da nossa espécie, os nossos antepassados, olhavam ociosamente para as estrelas, contemplando o céu profundo. A Astronomia dos antigos Maias revela uma façanha intelectual equivalente à antiga geometria egípcia e à filosofia grega. Sem telescópios, ou quaisquer outros aparelhos, estes astrónomos devotos calcularam a órbita da terra em redor do Sol com extrema precisão, compreenderam o tempo e as estações, definindo solstícios e equinócios com exactidão, inclusive um estranho alinhamento cósmico para 2012 que culminaria num Apocalipse! Viviam completamente obcecados pelos céus, em sintonia com os ciclos da Lua e de Vénus e foram os primeiros precursores de um calendário milenar maia, tido hoje por muitos como mais preciso do que o nosso calendário gregoriano actual.

     Já nessa época, sempre as mesmas perguntas nos procuravam: Onde estamos nós? Quem somos nós? Para onde vamos? Qual o nosso destino? “Existem vários mundos ou apenas um? Esta é uma das mais nobres e exaltantes questões do estudo da Natureza.” colocada por Alberto Magno no séc. XIII.

     É hoje muito claro que vivemos a cerca de 30.000 anos-luz do centro da Galáxia, nas franjas de um braço em espiral. Tanto quanto sabemos, pode haver quem viva num planeta mais além. As inúmeras descobertas de novos planetas suscitam a possibilidade de haver quem habite numa outra galáxia distante … ou não! Terá uma calamidade, descrita em muitos mitos e civilizações antigas, algum sentido? Antigas escrituras revelam ciclos cósmicos associados à queda de meteoritos; violentos terramotos; e um dilúvio gigantesco que culminará na extinção de uma grande parte da fauna e flora do nosso planeta, terminando num frio insuportável para a humanidade, um abraço gelado de uma nova era glacial!

     Será a Espécie Humana fruto de um ‘Afinamento Cósmico’? Onde estão as outras civilizações tecnologicamente avançadas? Qual o nosso destino? Será que estamos sós? Mesmo sós?! Nesta vastidão de espaço e nesta imensidade de tempo … será possível que sejamos os únicos seres que pensam no Universo?! Como diria Carl Sagan: “ O Cosmos pode estar densamente povoado de seres inteligentes, mas a lição de Darwin é clara: não existem seres humanos noutro sítio. Só aqui. Só neste pequeno planeta. Somos uma espécie tão rara como ameaçada, cada um de nós, do ponto de vista cósmico, é precioso. Se um ser humano discorda de vós, deixem-no viver. Nas cem mil milhões de galáxias, não encontrarão outro.”.   – ‘ Viagem ao Horizonte da Extinção – Dia XXI do mês 12 do ano dois mil e 12 ’ – Vol II - C. P. Fournier

 

 

   Conceito Literário:

 

“ Devemos encontrar a existência perfeita através da existência imperfeita!”

ENSINAMENTO BUDISTA

 

“ Quando, por vezes, me ponho a pensar nas várias discussões dos homens e nos problemas e perigos a que se expõem …

percebo que toda a sua infelicidade advém apenas de uma coisa:

do facto de não saberem estar em paz num quarto.

BLAISE PASCAL

 

“ Pudessem todos os homens lembrar-se de que são irmãos.”

VOLTAIRE

 

“Age segundo uma máxima pela qual possas querer que ela se torne numa lei Universal.”

KANT

 

“ Quem não castiga o mal, ordena para que ele se faça.”

LEONARDO DA VINCI

 

“ O melhor livro de moral é a nossa consciência, é com ela que mais nos devemos aconselhar.”

PASCAL

 

“ Não haverá um lugar para a razão?”

THOREAU

 

“ Acredito num Deus que se revela na harmonia de tudo o que existe e não num Deus que se preocupa com o destino e com as acções dos homens.”

EINSTEIN

 

“ Acreditar ou não em Deus, depende muito do que entendemos por Deus.”

 CARL SAGAN

 

“ O carácter de um homem faz o seu destino.”

DEMÓCRITO

 

“ A nossa dignidade reside no pensamento. Procuremos pois, pensar bem.”

PASCAL

 

“ Enquanto viveres, continua a aprender como viver.”

SÉNECA